Por que os palavrões nos escapam?

Quando amigos do Focus Junior me pediram para escrever um artigo sobre palavrões, meu primeiro pensamento foi: “Agora o que # & @ eu digo ???”. Venho estudando esse assunto há mais de 10 anos, mas é difícil conversar sobre ele com os mais pequenos.

Por isso, pedi ao meu sobrinho Paolo que me contasse três curiosidades que gostaria de satisfazer sobre os palavrões. Apostamos que você também está interessado neles?

POR QUE AS PALAVRAS NÃO PODEM SER DIDAS?

Posso dizer cocô, cocô, cocô. Mas se eu chamar de merda, não é bom: por quê? Porque esse termo absorveu, como uma esponja, muitos emoções negativas. Na verdade, ao contrário das outras palavras, lembra o nojo, o fedor, o aparecimento de fezes. Não são pensamentos bonitos: é por isso que você diz ao seu professor que você tem que “fazer uma necessidade”, ou que você tem que “ir ao banheiro” (e não ao banheiro, outro palavrão).

Em suma, os palavrões são “palavras mágicas” porque expressam as emoções negativas mais fortes: nojo, mas também surpresa, medo, tristeza. E raiva: palavrões, na verdade, podem ser usados ​​como insultos. Se digo a alguém “estúpido”, digo que são diferentes dos outros, anormais, inferiores. E isso o faz sentir-se rejeitado e sozinho. Então, com insultos você pode machucar. É uma lesão menos grave do que uma pancada na cabeça, mas sempre dói – é por isso que você não deve se ofender.

Mas entre a “magia” dos palavrões também existe uma positiva: eles fazem você rir. Na verdade, comediantes como Checco Zalone as usam: vulgaridades, se você não exagerar, elas fazem você rir, porque quebram uma regra quando você menos espera. É como se seu diretor fosse para a escola de cueca.

POR QUE FUNCIONAM MESMO SE VOCÊ NÃO QUER?

Vista sua camisa favorita e faça isso! A xícara de chocolate cai sobre você. Você não vai dizer: “Toh, como sou infeliz!”; um “Ma porc ****** !!” sairá de sua boca.

Porque o palavrão é usado para aliviar o estresse que não poderíamos expressar com palavras “normais”. Nesses momentos, nosso cérebro não pensa: é desencadeado por meio de uma “palavra mágica” pré-fabricada. Na verdade, algumas pesquisas mostraram que xingar ajuda a lidar com a dor.

Cientistas deKeele University (Reino Unido) fez um experimento: alguns voluntários fizeram mergulhe suas mãos em um balde de água gelada. Quem desabafa com palavrão, consegue resistir 30% do tempo mais do que quem disse uma palavra (mesa, flor …).

POR QUE É TÃO BOM DIZER A ELE ENTRE CRIANÇAS?

Palavrões violam uma regra e isso faz você se sentir mais forte e diferente dos outros. Na verdade, os manifestantes usam linguagem imprópria na política. E desde os jovens, para se diferenciar dos grandes. Por isso são muito usados ​​em canções de rap. Mas temos certeza de que está “tudo bem” em contar a eles? Pense nisso: Fabio Rovazzi ele teve sucesso porque não usou um palavrão (cantou “il ca ‘che me ne frega”). Na verdade, ser refinado é mais legal do que ser duro.

Deixe um comentário