Os dados confirmam: o verão de 2022 foi o mais quente

O verão de 2022 está prestes a terminar, com a chegada do outono. E os dados que emergem da pesquisa de cientistas da NOAA (National Oceanic and Atmospheric Administration, agência norte-americana que lida com estudos de oceanografia, meteorologia e climatologia) confirmam o que todos suspeitávamos: O verão de 2022 foi o mais quente já registrado na Europa desde 1884, ano em que se iniciaram as inscrições.

Temperaturas recordes!
O registo do verão de 2022 faz-nos esquecer o do verão de 2003, que até agora tinha sido considerado o verão mais quente já visto na Europa. Em 2022, no entanto, as temperaturas foram cerca de 2,41 °C a mais que as médias dos últimos cem anos, superando assim as de 2003, que causou dezenas de milhares de mortes em toda a Europa. Em especial no período Junho-agosto de 2022 houve inúmeros Ondas de calor na Espanha, França, Inglaterra e Europa Central, com temperaturas “quentes”: em Coningsby, no Reino Unido, em 19 de julho o termômetro atingiu a temperatura recorde de 40,3 graus Celsius!

Calor e eventos extremos
Este recorde para a Europa confirma a aceleração da mudança climática em curso: os cientistas não se preocupam apenas com a aumento acentuado das temperaturas mas sobretudo as variações extremas do clima, com períodos de seca seguido de eventos extremos com chuva forte e tempestades, como os que atingiram as Marchas de 15 de setembro. Tudo isso com consequências diretas na agricultura, na proteção do território e da biodiversidade e, infelizmente, também na vida das pessoas.

Deixe um comentário