O bagre preto, um nadador “bigodudo”!

Originalmente de Canadá e de Estados Unidos, dos Grandes Lagos ao norte do México, o bagre preto foi introduzido no início do século 20 na Europa, incluindo a Itália, onde floresceu. É um animal muito adaptável e resistente que ocupa a maioria dos habitats de água doce, de pequenos lagos agrícolas a lagos e pântanos. Tolera águas mal oxigenadas, poluídas, turvas e de alta temperatura sem repercussões.

Ameiurus melas É um peixe relativamente pequeno, medindo não mais que 60 cm e raramente ultrapassando 3,5 kg de peso. Prefere nadar fundos pantanosos e em riachos livres de fortes correntes e até 5 m de profundidade. O corpo é robusto e a grande cabeça é caracterizada pela presença de numerosos bigodes (queixos). A cor da pele, desprovida de escamas, varia do marrom escuro ao preto nas duas, e o ventre é branco.

COMPORTAMENTO

Nesta espécie, o desova ocorre entre maio e julho, quando a fêmea constrói o ninho sob um tronco submerso ou cava um buraco raso no fundo, e põe 2.000 a 3.800 ovos. A ninhada é protegida pela mãe apenas durante o primeiro dia, após o qual o macho cuida dos ovos até a eclosão, que ocorre após cerca de 4-10. Além disso, depois de eclodidos, os alevinos ficam perto dos pais por quase duas semanas.

Médio, A. melas ele vive cerca de cinco anos. É um animal solitário que principalmente ao entardecer e à noite caça ovos, alevinos e pequenos peixes, mas também se alimenta de anfíbios, larvas de insetos e moluscos. Nos ambientes onde foi introduzido está havendo um impacto desastroso sobre a fauna local porque é muito voraz, extremamente resistente a condições ambientais adversas e com poucos predadores. Na verdade, quase nenhum animal desafia seu espinhas peitorais venenosas, que causam picadas dolorosas.

TAXONOMIA

Aula: Actinopterygii (Peixe ósseo)
Pedido: Siluriformes
Família: Ictaluridae
Espécies: Ameiurus melas
Estado de conservação: risco mínimo (LC)

Deixe um comentário