Focus Wild: as notícias do mês (n ° 115)

VOMBATE FLUORESCENTE

AUSTRÁLIA OCIDENTAL – Pesquisadores do Western Australian Museum descobriram que os wombats também são fluorescente quando iluminado com raios ultravioleta. A revelação sobre os engraçados marsupiais australianos é sensacional porque a fluorescência é muito rara em mamíferos e recentemente também foi observada no ornitorrinco, enquanto já era conhecida no gambá e em algumas espécies de morcegos e esquilos voadores. O fenômeno da luz ocorre quando a pele de um animal ou seus dentes e ossos absorver radiação de alta energia como ultravioleta e, em troca, emitem um brilho de frequência mais baixa. Como outros animais fluorescentes, os wombats são noturnos e somente após o anoitecer eles emergem de suas tocas para obter comida. Embora a ciência tenha descoberto o segredo dos wombats, a função de seu brilho quando atingido por raios ultravioleta permanece um mistério.

https://www.youtube.com/watch?v=Sy6mBBNPVSQ

Créditos: Panda Pada

AVISO! Rato venenoso

QUÊNIA – Existem muito poucos mamíferos venenosos e os rato guará (Lophiomys imhausi) É um deles. O roedor da África Oriental, no entanto, não produz o veneno, mas o pega de uma planta e o distribui sobre o pelo para criar armadura química que mantém predadores como hienas e cães selvagens afastados. A toxina, na verdade, é tão poderosa que alguns miligramas espalhados na pele são suficientes para matar um homem ou atordoar um elefante. Para extrair o veneno, o rato guará mastiga a casca de Acokanthera Schimperi, conhecida como a árvore da flecha envenenada porque os caçadores locais a usaram por centenas de anos para criar flechas envenenadas, após o que ele lambeu cuidadosamente seu pelo para aplicar o composto tóxico. A equipe de pesquisadores que primeiro documentou o ardiloso ardil na natureza agora quer descobrir o que torna o camundongo imune ao veneno mortal, que normalmente deveria matá-lo.

Créditos: Universidade de Utah

Deixe um comentário