Truques e táticas de guerra – Aqui estão as muitas maneiras de vencer na batalha

Um porco-espinho com penas muito retas: parecia o “Falange macedônia”, uma formação militar que ficou famosa no século 4 aC. C. para o líder Alexandre o grande. Era um pelotão de soldados movendo-se lado a lado, em filas paralelas, carregando um escudo redondo e uma lança muito comprida, mantida baixa nas primeiras filas e alta nas costas de forma que todo o grupo assumisse a forma de um porco-espinho. oprimir os inimigos. Esta é uma das muitas formações de combate contempladas por “táticas militares” – ideias engenhosas concebidas ao longo dos séculos para posicionar soldados, às vezes imitando o mundo animal.

Outro exemplo vem da Roma Antiga, onde era usada a “tartaruga”, uma formação defensiva inspirada na armadura de uma tartaruga. Também aqui os soldados se moviam compactamente, segurando escudos retangulares com os quais também cobriam as cabeças, formando uma concha protetora.

ENFRENTADO

Desde os tempos antigos, muitas táticas visavam “enganar” os inimigos. O tratado medieval chinês Trinta e seis truques por exemplo, ele sugeriu: “fazer o inimigo acreditar que existe algo quando na realidade não existe nada.” Talvez organizando uma retirada simulada ou destacando tropas para fazê-los parecer mais numerosos.

Para este fim, o líder da noite Genghis Khan (1162-1227) fazia com que cada um de seus homens segurasse várias tochas, enquanto durante o dia ele costumava amarrar “soldados-fantoches” a cavalos. Na Segunda Guerra Mundial, os britânicos vão implantar tanques infláveis ​​falsos, também contando com a ajuda de um ilusionista que na África “escureceu” o porto de Alexandria, induzindo aviões alemães a atacar um porto falso bem iluminado construído nas proximidades.

Às vezes, no entanto, as melhores táticas “desistiram” de um inimigo invencível: o clima. Por exemplo, “má sorte com mau tempo” atingiu Napoleão em 1815 em Waterloo, onde perdeu uma batalha decisiva devido à chuva. Isso desacelerou as manobras da artilharia francesa (contra a britânica) e impediu a tática de “tiros rebatidos”, em que as balas de canhão tinham que ricochetear antes de ricochetear sobre os inimigos, o que é impossível em terreno lamacento.

AS VANTAGENS DO PROGRESSO

Hoje, com os avanços tecnológicos, o velho sonho de todo estrategista se tornou realidade: espionar e atacar o inimigo sem risco de ser atingido. Novos meios automatizados, como drones, permitem que os militares permaneçam sentados na frente de um PC, como em um videogame.

Pero las tácticas del pasado no se han retirado: las fuerzas policiales, por ejemplo, todavía recurren a la tortuga romana, y aunque algunos países, como Estados Unidos y China, están desarrollando robots-soldados de ciencia ficción, muchos soldados continúan estudiando el tácticas de uma vez. Por outro lado, na batalha como na vida cotidiana, não basta a força para vencer, mas a inteligência conta.

GLOSSÁRIO: ESTRATÉGIA OU TÁTICA?

Muitas vezes, “tática” militar é confundida com “estratégia”, mas as duas expressões referem-se a conceitos diferentes. O primeiro, na verdade, refere-se ao maneira de organizar e mover soldados no campo de batalha enquanto estratégia é sobre a guerra como um todo (dos fornecimentos às relações diplomáticas).

TÁTICAS “ESPORTES”

Ataque e defesa: são as principais ações de todo exército, e isso vale no esporte, por exemplo no futebol, onde existem táticas (ou “esquemas”) úteis para se defender ou, vice-versa, para impor o próprio jogo. De um lado está, por exemplo, o “bolt”, que vê as equipes fechadas na defesa para revelar o adversário e acertá-lo no “contra-ataque”, e de outro o “tiki-taka”, expressão que indica uma longa posse de bola destinada a fazer com que os rivais corram “vazios”, a cansá-los. Os vários módulos, como 4-4-2, 4-3-3 ou 3-4-3, referem-se antes à disposição dos jogadores em campo, como as formações utilizadas pelos soldados na batalha.

Deixe um comentário