Arte e primavera: as pinturas dedicadas à volta do verão

ARTE E PRIMAVERA

Com a primavera, toda a natureza parece Volta para a vida, as árvores engrossam sua folhagem novamente e as flores desabrocham em um profusão de cores. Em suma, esta temporada parece feita especialmente para pintores de todas as idades, que, tendo a alma particularmente sensível à beleza, não resistiu ao encanto deste momento de floração, transformando, cada um segundo o seu estilo, as sensações e emoções primaveris em verdadeiras obras de arte. Então, vamos descobrir algumas das pinturas mais bonitas (e famosas) onde Arte e primavera se encontram.

Primavera por Sandro Botticelli (1482)

Arte e primavera

Talvez a pintura mais famosa de Botticelli junto com a Nascimento de venus. Nesta obra-prima do Renascimento, cada um dos nove personagens presentes representa uma divindade. Na verdade, no centro da imagem encontramos Vênus, deusa da beleza e da fertilidade, que em meio ao Jardim da Hespéridai (onde a maçã da imortalidade cresce) observa o advento da primavera.

Na verdade, da direita para a esquerda podemos ver Zephyr (o caráter azulado e um tanto perturbador) que é o vento que acompanha a chegada da primavera e sequestra a ninfa cloris que, após a união com Zephyr, se transformará na deusa Flora (a mulher a veste de flores), protetora dos trabalhos agrícolas e personificação da primavera. Aqui está Vênus, símbolo do amor supremo a cuja esquerda aparecem as Três Graças (Aglaia, Euphrosine e Talia), que representam a beleza, a castidade e o amor, e finalmente Mercúrio, o mensageiro dos deuses que aqui pretende perseguir as nuvens do céu, defender o jardim e a nascente.

Primavera por Arcimboldo (1563)

Arte e primavera

Esta pintura faz parte do trabalho Quatro estações a partir de Giuseppe Arcimboldo, o pintor famoso por seus retratos compostos por flores, frutas e vegetais. Em homenagem à primavera, a artista usou elementos característica desta estação – rosas, bagas de beladona, corolas, lírios, botões de flores – para criar um busto feminino de perfil e, ao mesmo tempo, transmitir as sensações de floração e abundância típicas da primavera.

Primavera por Claude Monet (1872)

Arte e primavera

Mais uma “Primavera” (talvez os artistas usaram toda a criatividade para as obras e pouco sobrou para os títulos!), Desta vez de acordo com o estilo impressionista do grande Claude Monet, que quer ser restaurado combinando as cores da paleta o impacto visual do vestido largo da mulher no meio da campina iluminada por um sol da primavera que se filtra pelos galhos das árvores. É quase como se você pudesse sentir o cheiro da grama!

The Printemps por Claude Monet (1872)

Arte e primavera

Nesta outra pintura maravilhosa de Monet, apreciamos os resultados do foto en plein air, a pintura “ao ar livre” típica dos impressionistas, que traziam cores e cavalete diretamente aos lugares que queriam retratar (os impressionistas eram grandes paisagistas) para captar todas as nuances do ambiente circundante, “imprimindo-o” na tela.

Mulher com guarda-chuva no jardim por Pierre-Auguste Renoir (1875)

Arte e primavera

Renoir também foi um dos maiores expoentes do impressionismo e nesta pintura ele realmente se parece com se perder na grama de um prado florido. O jardim retratado, entre outras coisas, era o mesmo que o artista via todos os dias da janela do o estúdio dele em paris, sendo admirado pela beleza das cores e pela tranquilidade que o lugar oferecia.

Um après-midi dimanche à l’Île de la Grande Jatte por Georges-Pierre Seurat (1886)

Arte e primavera

Uma tarde de domingo na ilha de Grande-Jatte – mais comumente chamado de Grande Jatte – é ao invés uma das obras mais famosas de Georges-Pierre Seurat, um dos pais do movimento pontilhista. O nome do movimento em si é bem claro: todo o trabalho foi feito com “pontinhos” coloridos!

A pintura é bastante grande (cerca de dois metros por três) e retrata a ilhota da Grande-Jatte, no rio Sena parisiense, onde costumavam ir as famílias burguesas da cidade para passar as tardes de primavera.

Ramo de amendoeira em flor por Vincent Van Gogh (1890)

Arte e primavera

O grande não poderia faltar na coleção Art and Spring Vincent van Gogh. Este retrato de um ramo de amendoeira em flor na sua simplicidade, influenciado pelo estilo das gravuras japonesas que a artista aprecia especialmente, consegue comunicar a própria essência do renascimento da natureza.

Van Gogh ficou particularmente ligado a esta pintura porque ele a criou junto com irmão theo, que foi uma das poucas pessoas a quem ele se apegou verdadeiramente ao longo de sua vida.

Relva por Ferdinand Hodler (1901)

Arte e primavera

Embora não seja muito famoso, o suíço Ferdinand Hodler foi um talentoso pintor paisagista, cujo estilo evoluiu entre o Impressionismo e o Simbolismo, com uma “pitada” de influência Arte Nova. Esta pintura retrata o desabrochar da primavera em um prado na montanha, uma visão familiar ao artista, que adorava pintar paisagens alpinas e os muitos lagos da Suíça.

Perigo por Arthur Hacker (1902)

Arte e primavera

Mesmo o artista inglês Arthur Hacker não é particularmente famoso, porém, como você pode ver, “a mão” estava certa! Hacker, na verdade, se especializou em retratos e pinturas com origens religiosas, mas a beleza própria Perigo (“Em perigo”) consegue atingir os sentidos (não apenas a vista) graças às cores e sensações do campo florido.

Jardim italiano por Gustav Klimt (1913)

Arte e primavera

Terminamos a “caminhada” entre a arte e a primavera em um jardim italiano retratado pelo pintor austríaco Gustav Klimt, que nesta pintura abraça o legado dos impressionistas e passa a pintar como eles, em meio à natureza. Você não quer se curvar e pegar uma flor?

Deixe um comentário