O Destino e a Deusa

De todas as manifestações religiosas, aquela que responde à Grande Deusa representa, por si só, o maior desafio à compreensão que nos pode fornecer a mitologia. Todas as culturas, todos os povos em qualquer tempo, tiveram e têm suas divindades femininas, às vezes ocupando postos centrais no panteão, às vezes vistas de modo acessório. O fato é que desde o princípio dos tempos, o ser humano busca reconhecer e integrar  a imagem da mulher de proporções míticas: sendo a Mãe terrível ou nutriz, a Amante devotada ou ressentida, a Virgem ou mesmo o Monstro, a Grande Deusa prossegue como o verdadeiro enigma do imaginário humano, sendo ela própria princípio e fim, busca e encontro, experiência e separação.

Em termos psicológicos, a imagem da Grande Deusa, em todas as suas manifestações, responde ao arquétipo do feminino em cada um nós. A experiência do mistério, da pureza, da volúpia e da redenção criam aquilo que buscamos compreender como a experiência da Vida, fornecendo os motivos da verdadeira busca por quem somos: por um lado, o feminino é o cenário de onde surgimos (a Mãe), e por outro, é aquilo que buscamos conquistar através dos sentidos (a Amante), é também a nossa vocação para a experiência religiosa pura, que engendra o absolutamente novo (a Virgem) e a natureza inefável da materialidade (representada pelo Monstro).

E é buscando penetrar nessa realidade que iniciaremos o novo curso do Monomito cujo tema é O Destino e a Deusa. Em seis encontros, traçaremos o perfil das principais deusas dos panteões do mundo, buscando confrontar imagens às vezes concordantes, às vezes antagônicas ou aparentemente distantes do feminino, mas que no fim, revelam-se sempre parte da mesma tessitura do arquétipo. E não se engane quem pense que o percurso está inteiramente traçado antes do início da jornada. Os domínios da Deusa são vastos e transcendem o conhecimento que temos deles, instaurando-se como realidades, muitas vezes distantes de qualquer porto seguro. A Deusa é perigosa e exige devoção e cuidado.

Em cada um dos seis encontros abordaremos três deusas, suas formas de atuação e suas características simbólicas.

A duração total da exposição em cada encontro é de 1h30min

Veja a relação das deusas abordadas logo abaixo

1º Encontro – O Destino e a Deusa

2º Encontro – Ísis, Perséfone e Astarte – Jornada ao Mundo Inferior

3º Encontro – Ártemis, Lilith e Oxum – Desejo e Proibição

4º Encontro – Erínias, Kali e Iya Mi Oxorongá – A Deusa é o Abismo

5º Encontro – Athena, Sedna e Sofia– Perda e Ressignificação

6º Encontro – Kuan Yin, Shakti e Tiamat – A Fonte Inesgotável da Existência

Consulte através do e-mail os custos e demais informações sobre o curso

jdlucas.contato@gmail.com

ou

21 983931078 

*

JD Lucas é mitólogo e escritor. Coordenador da Mythological RoundTable© Rio de Janeiro, núcleo da Joseph Campbell Foundation no Brasil. Ministra cursos no campo da mitologia e do simbolismo comparado. Criou o primeiro curso de Introdução ao Mito, além de O Caminho do Alquimista (utilizando o Tarô de Marselha como tema) e do curso de Mitologia Afro-Brasileira. Atua junto a instituições públicas e privadas na disseminação da mitologia como possibilidade de experiência do conhecimento. Para parcerias e dúvidas, ou se deseja um curso presencial para grupos específicos, envie e-mail para jdlucas.contato@gmail.com.

O Terrorismo e as Convulsões do Inconsciente Coletivo

Toda guerra é uma tentativa de ajuste da psique às suas novas condições, uma tentativa de estabelecer um equilíbrio. Enquanto não nos voltarmos para a sombra pessoal e coletiva para reconhecer a natureza do mal, nenhum terrorismo cessará de fazer vítimas.
Esse trecho faz parte do curso Jornada para a Alma, mais detalhes você obtém no link http://goo.gl/WCLGbO e nos dados de contato no fim do vídeo.