No senso comum, a palavra mito significa basicamente uma mentira, uma ilusão, uma camuflagem, uma lenda ou uma crença que não tem nada ver com a realidade.

Mas com o desenvolvimento da psicanálise, principalmente a partir dos estudos de Freud e Jung, o mito passou a ser entendido de outra forma. Ao analisar os sonhos das pessoas, a psicanálise identifica muitas relações entre as narrativas criadas pelo inconsciente e as narrativas criadas nas mitologias, nos contos de fada e nas histórias que sobrevivem na tradição oral. E foi assim que observaram que essas histórias, aparentemente banais, são mais importantes do que parecem, porque elas ajudam a revelar algumas dinâmicas sutis do nosso inconsciente.

A partir daí, antropólogos e historiadores da religião também passaram a definir o mito como uma “narrativa” que se refere a um passado sagrado, que não foi vivido pelas pessoas, mas que ajuda a criar um sentido para o mundo. Ou seja, com a sua imaginação, com a sua sensibilidade e com as intuições do inconsciente, as pessoas repetem essas histórias e vivenciam essas experiências sagradas através de símbolos e rituais, e muitas vezes sem perceber ou sem ter consciência do significado desses símbolos, justamente porque eles operam no inconsciente.
Por exemplo: as pessoas apagam uma vela no aniversário, montam uma árvore no Natal, cultuam ídolos do cinema, da música e da televisão, cultuam marcas e não percebem que esses pequenos rituais, aparentemente sem sentido, têm ressonância profunda no inconsciente.

Mas o pesquisador que pretende compreender a lógica do pensamento de uma sociedade, precisa analisar: os mitos, os rituais e os símbolos que criam sentido para a realidade. Mas é preciso muita cautela para decifrar mitos, porque eles são muito ambivalentes – justamente por não serem racionais – e podem ter vários significados. Inclusive, Girardet nos lembra que frequentemente um mito pode inverter o seu significado. Por exemplo: o tema da conspiração não é necessariamente acompanhado de conotações negativas. A imagem do complô demoníaco, por exemplo, tem como contrapartida a da santa conjuração. O segredo, a máscara, o juramento, os cúmplices, tudo aquilo que é denunciado e temido no outro; de repente, se torna um imaginário que atribui heroísmo ao grupo que se define como os conspiradores do bem.

É por isso que o mito político é muita coisa ao mesmo tempo: mentira, fabulação, dinâmicas do inconsciente e narrativa explicativa da realidade. Agora, ao lado dessa ambivalência, a questão é que as narrativas míticas possuem a sua própria lógica. E mais: assim como o sonho tem os seus padrões, a imaginação coletiva também parece ter um número limitado de regras, fórmulas e combinações.

“O poder de renovação da criatividade mítica é, de fato, muito mais restrito do que as aparências poderiam fazer crer”.

A gente acha que a nossa imaginação e a nossa inteligência são ilimitadas. Mas quando a gente examina a estrutura dos discursos que explicam o mundo, a gente enxerga muitos padrões. É como uma engrenagem. É por isso que a imagem do líder salvador é sempre associada a símbolos primordiais de libertação e purificação: o herói é aquele que liberta das correntes, aniquila os monstros, expulsa o mal e é sempre associado a imagens de luz e claridade: como o ouro, o sol e o brilhante. E é curioso ver que o imaginário da conspiração maléfica também repete os temas. A sujeira, o fedor, os animais imundos que rastejam e que são viscosos, tentaculares, e que estão escondidos espalhando o veneno e a infecção. Reparem como essas mesmas imagens são utilizadas para atribuir sentido a inúmeras circunstâncias. Mais uma vez, na ilusão de que somos muito originais, repetimos fórmulas ancestrais para atribuir sentido ao mundo.

Por isso é interessante estudar os mitos políticos. Esses estudos fornecem ferramentas muito poderosas para investigar a realidade.

Os mitos políticos de nossas sociedade contemporâneas não se diferenciam muito, sob esse aspecto, dos grandes mitos sagrados das sociedades tradicionais

Via prof. André Azevedo da Fonseca (UEL, Depto. de História)

Para assinar o Monomito e receber as novas postagens assim que forem publicadas, vá até a guia ASSINE na barra superior e preencha com o seu e-mail.
Mitologia é a Canção do Universo.

Mitologias Políticas

Um comentário sobre “Mitologias Políticas

  1. Republicou isso em Monomitoe comentado:

    Assista aos novo episódio da série Mitos e Mitologias Políticas, sobre os temas mitológicos que costuram os discursos políticos. Imperdível!

    No link, você pode acompanhar os três capítulos anteriores também.

    Um abraço!

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s