Indios-encenam-sua-historia

Nota de Repúdio ao Clube de Futebol Guarani – SP

Gostaria de manifestar o meu repúdio à decisão do clube de futebol Guarani, de Campinas – SP, pela decisão de retirar dos uniformes o símbolo do índio caboclo, por pressão de jogadores evangélicos, católicos, com anuência da comissão técnica e da diretoria

O Guarani é conhecido como Bugre, uma referência aos indígenas de várias etnias que não foram evangelizado.

Enquanto tivermos indivíduos despreparados em posições de comando, o preconceito só fará aumentar. Com este ato, o clube, e seus jogadores, diretores e comissão técnica, inscrevem seus nomes na cartilha da estupidez maquinal da superstição ideológica.

O Monomito é um espaço onde se propaga a herança mitológica, simbólica e religiosa dos povos do planeta. Especialmente, procuro trazer à tona conhecimento sobre a nossa mitologia, em correlação com as outras mitologias do mundo, porque é aquela que, por força do contexto geo-histórico, sempre foi a que mais próxima esteve presente e, paradoxalmente, a que menos privilégios teve diante da sociedade, idiotizada pelo eurocentrismo, pela importação de objetos de devoção alienígenas ao nosso modo de vida, que se fizeram presentes pela supressão covarde do outro, o que lhe é estranho. Desde o princípio, o europeu buscou enfiar goela a dentro seu modo de vida à América Latina, como se fôssemos seus esparros. Não somos, não devemos ser. Pizarro e Cortez, a mando das coroas europeias, capitaneadas pela Igreja Católica (esta nefasta instituição que tanto mal fez em nome de um mito), envenenou, perverteu, saqueou, aniquilou civilizações inteiras na ganância por ouro.

O clube Guarani, aderindo a uma reivindicação tão esdrúxula, adota o mesmo pensamento egoísta e imbecilizante, tão comum, infelizmente, a muitos torcedores de futebol e fiéis das religiões, em especial monoteístas.

Precisamos respeitar nossa herança cultural se quisermos continuar crescendo firmes. Não há árvore que se sustente sem raízes.

Abaixo, você conhece o Ritual Sagrado dos Xucuru, em que se saúda e contempla a pureza natural do humildes homens e mulheres da terra, para além do preconceito abstruso evangélico corrente.

Assista

Grande abraço!

JD Lucas

xango machado

Operação Xangô

Mini-doc sobre operação que em 1912 destruiu ostensivamente terreiros de Candomblé em Alagoas. Esta operação ficou conhecida como O Quebra de Xangô.

Imagens de práticas e entrevistas. Xangô é pai, Xangô é rei. É a Justiça. Assista.

xucuru

O Rito Sagrado Xucuru

Em tempos de intolerância religiosa amplamente difundida, e de necessidade de re-sacralização da natureza, temos muito a aprender com os Xucurus. O respeito à mulher, a possibilidade do humano natural, a humildade, a tolerância, e toda espécie de amor que exista pelas coisas boas.

Fonte: Observatório Transdisciplinar das religiões